WebBanner_IPTUsite2

quinta-feira, 25 de maio de 2017

Farinha? Só no cheiro…


Farinha d’água produzida no Maranhão é mais cara do que a do Pará, que tem melhor sabor e qualidade…
Assim como o beiju de tapioca, nossa farinha d’água tornou-se paraense…
Nossa produção parece que entrou em colapso, conseguiu afugentar itens básicos  de nossa culinária/cultura para longe de nós. Para piorar ainda mais a vida dos pobres maranhenses, que  a cada dia estão trocando a farinha de mandioca para consumir milharinha, trigo ou arroz.
Produtos da mesa do maranhense estão ganhando outros mercados.
Nosso território é imenso, maior que muitos países do mundo, mas, pouco produz. Quero relatar aqui a experiencia desta manhã, quando recebi um presente de minha cunhada, que chegou do Pará e trouxe quase dois quilos de farinha d’água, de boa qualidade e preço (Bragança), a mesma que é vendida nos mercados maranhenses pelo dobro do preço de lá.
Confira na imagem abaixo:
Num mercado de Ananindeua-PA, é possível comprar farinha d’água de boa qualidade  pela metade do preço que o maranhense compra nos mercados da capital, São Luís.
Infelizmente a ideia que o Maranhão atual passa é que aqui só produz violência, prova disso são os destaques de jornais mostrando adolescentes matando e estuprando, jovens envolvidos com o tráfico.
Aliás, quero registrar aqui a fala de meu amigo Franklin Menses, que disse certa vez: “Farinha?, aqui se o consumidor chegar falando isso na Alemanha (bairro de São Luís) é capaz de alguém oferecer pó (cocaína), produto mais vendido do que a própria farinha d’água”.
Nota:
Já faz muito tempo, em minha infância na Cohab, quando a juventude depois de jogar uma pelada na rua se juntava para fazer farofa.
Naquele tempo farinha d’água era um produto barato e vasto em nossas mesas. Meu amigo, Assuero Costa, mestre de capoeira angola, do Laborarte, era o encarregado do preparo: farinha a perder de vista, com um ovo, sal, tomate e cebola ( e com direito a algumas cabeças de camarões secos). Tinha até briga na hora de servir. (Do Blog do Ricardo Santos)

Nenhum comentário:

Postar um comentário