Banner B

quarta-feira, 17 de maio de 2017

Adriano afirma que documento contradiz propaganda do Governo comunista


O deputado Adriano Sarney disse que o documento entregue pelo secretário Felipe Camarão, titular da Secretaria de Estado da Educação (Seduc), para a Assembleia Legislativa, durante reunião ocorrida segunda-feira (15), revelou uma incoerência do Governo do Estado, pois os números da propaganda oficial não condizem, segundo ele, com o documento. O fato repercutiu bastante na sessão da última terça-feira (16) no plenário do Legislativo. 

Adriano Sarney disse que de acordo com o documento, apenas dez (10) escolas de ensino médio foram construídas no governo Flávio Dino (PCdoB), que está à beira de completar dois anos e meio de mandato. Entretanto, ele destacou que no vídeo da propaganda oficial, o governo promete 300 novas escolas até 2018, ou seja, a pouco mais de um ano e meio para o fim do mandato. Ressalte-se ainda que, ele afirma que apenas nove escolas de taipa foram substituídas em todo o Estado.

O parlamentar destacou que "os recursos utilizados pelo governo comunista são oriundos do empréstimo do BNDES, contraído ainda na administração Roseana Sarney, uma operação financeira outrora muito combatida pelo atual governador e os parlamentares que hoje estão na base aliada". Ele disse também "que parte dos recursos para reformar escolas veio da iniciativa privada, isto é, de empresas como a Cemar, Suzano, Agro Serra, Algar, Parnaíba Gás Natural e Quick House".

O deputado Adriano disse que a propaganda do Governo afirma ainda que centenas de escolas foram reformadas, mas o documento da Seduc, segundo ele, revelou que essas reformas, oficialmente, foram descritas como pequenas intervenções, que no total sequer chegam próximo dos números divulgados.

Nenhum comentário:

Postar um comentário