WebBanner_IPTUsite2

quinta-feira, 6 de abril de 2017

Holandinha, isso não é debate, é realidade. Professores e alunos denunciam precariedades nas Unidades de Ensino


As denúncias aos problemas de infraestrutura na UEB Darcy Ribeiro são desde 2013. Questões básicas, como falta de água, falta de infraestrutura do telhado da escola e da quadra, problema na rede elétrica e hidráulica, a escola já passou por algumas invasões e ações de vandalismo.

Além das goteiras e infiltrações que estão presentes na UEB Darcy Ribeiro, um outro problema grave da escola é a quadra de esportes que está completamente depredada e abandonada. Uma parte do teto já caiu e o restante da estrutura está toda comprometida, sendo consumida pela ferrugem.

“Vivemos hoje momentos de terror, cenas horríveis. Nós que estamos na sala de aula nunca imaginamos passar por isso. Agora tenho muito medo de voltar a dar aula, pois a escola Darcy Ribeiro faz muito tempo que está na UTI”, desabafou uma professora da UEB.

Segundo Maria Luciano, mãe de aluno, faz dois anos que eles esperam por uma reforma. “Eu quero saber como mãe, como vai ficar a educação do meu filho, já faz dois anos que eles mandam reformar isso aí e nunca sai. Agora eu fico com medo do meu filho voltar para a escola”.

Falta de infraestrutura

Os problemas de infraestrutura nas escolas da rede municipal de São Luís são recorrentes. Além da UEB Darcy Ribeiro, recebeu denúncias, na semana passada, da UEBs como a Mata Roma e Nascimento de Moraes, localizadas na Cidade Operária, as UEBs Raimundo Chaves e Henrique de Lá Roque na região do Bacanga, a UEB Dom Delgado, na Vila Conceição, Bairro do São Raimundo.

A UEB São José, localizada no bairro Bom Jardim, no Turu, apresenta problemas históricos comum a toda rede municipal de ensino. A rede elétrica apresenta problemas, com energia oscilando, a escola teve uma sala de aula queimada devido a um curto circuito, com problema na energia a escola fica sem água, pois é através dela que a bomba do poço artesiano puxa a água, faltam ventiladores em quase todas as salas, as janelas estão quebradas, o telhado está cheio de goteiras e quando chove a escola fica inundada, a tampa da fossa de esgoto está quebrada, proporcionando grande risco aos alunos, sem falar no mato que invadiu a área da escola.

Comunicamos todos esses problemas a SEMED e a secretaria nos avisou que se não voltássemos a dar aulas, seríamos relotados e a escola fechada. Sabemos que os nossos alunos não têm para onde irem, visto que as outras escolas adjacentes são do município de Ribamar ou já estão lotadas. Não podemos penalizarmos os alunos e tivemos que voltar a dar aula mesmo nessas condições, infelizmente”, desabafou o professor Aniceto Neto


“Já fizemos várias denúncias a Semed e os professores da escola também denunciaram ao Ministério Público. Cobramos da Semed desde 2014 , com ofícios e documentos, mas nenhuma providência foi tomada. São várias escolas cheias de problemas estruturais, essa é uma tragédia anunciada", disse a presidente do Sindeducação Elisabeth Castelo Branco.

Já no bairro da Camboa, hoje, pela manhã, vários alunos e pais de alunos denunciaram a precariedade em que se encontram as escolas  municipais daquela área.

Abaixo imagens da manifestação, ocorrida na manhã desta quita-feira:








Nenhum comentário:

Postar um comentário