WebBanner_IPTUsite2

sábado, 16 de janeiro de 2016

Governo do Maranhão trabalha na expansão da estrutura policial no interior do Estado


Para o primeiro semestre de 2016 está prevista a finalização das obras de construção de pelos menos quatro delegacias, dentre as quais duas regionais – em Açailândia e Barra do Corda – e duas convencionais, em Santa Inês e Santa Rita. Além disso, a Polícia Civil está expandindo o Sistema Integrado de Gestão Operacional (Sigo) para modernizar o atendimento e aperfeiçoar os procedimentos de cruzamento de dados.
De acordo com o delegado geral de Polícia Civil, Lawrence Pereira, há obras em andamento com construções de prédios ou reformas em Santa Inês, Zé Doca, Pinheiro, Bacabal, Barra do Corda, São Bento, Açailândia, Barreirinhas, Peritoró, Penalva, Imperatriz, São Mateus e Coroatá. “Nossa meta é levar uma boa prestação de serviço público com homogeneidade, de forma capilarizada. Quando pensamos em interiorização, pensamos em verificar a qualidade do melhor serviço que está sendo ofertado e buscar meios de estender a qualidade para todas as cidades do interior do Maranhão”, aponta o delegado Lawrence.
As delegacias regionais são implantadas em polos que atendem entre 6 e 20 cidades, conforme a dimensão dos municípios. Elas dispõem de uma estrutura privilegiada, em função da maior abrangência e de servirem como suporte para as cidades menores. As regionais possuem efetivo maior de viaturas, de delegados e, eventualmente possuem delegacias especializadas, como as de narcóticos e de homicídios. As cidades em que as regionais são instaladas são maiores, mais populosas e economicamente mais ativas. A partir dessa cidade, a Polícia Civil oferece apoio a outras unidades que estejam dentro dessa regional.
Além da ampliação estrutural, o reforço do quadro com a chegada de novos policiais civis – convocados do último concurso público – levará mais segurança para o interior do estado e possibilitará a abertura de novas delegacias. “Com base em análise e diagnóstico dos problemas que existem, priorizamos as comarcas e municípios onde está demonstrado maior índice de criminalidade de maneira a ampliar o acesso à investigação criminal, quando necessário”, comentou o delegado geral.

Nenhum comentário:

Postar um comentário