WB-Combate-Mosquito-960x90px

terça-feira, 15 de setembro de 2015

Exposição no MA permite passeio pela história do rádio e TV do país

G1 Maranhão

Programação comemora 65 anos da primeira transmissão de TV no Brasil.
Mostra fica aberta até o início de de outubro, na Assembleia Legislativa.


Na próxima sexta-feira (18), a televisão brasileira comemora 65 anos da primeira transmissão feita em território nacional. Uma exposição em São Luís (MA), aberta nesta segunda-feira (14), permite uma viagem por uma parte dessa história. A programação marca ainda os 93 anos das transmissões de rádio no Brasil, comemorados no último 7 de setembro.
A mostra ‘65 anos da primeira transmissão de TV e 93 anos da primeira transmissão de rádio no Brasil’ reúne aparelhos de TV e rádio do acervo do radialista Talvane Lukatto, e fica aberta até o próximo dia 2 de outubro, na sede da Assembleia Legislativa do Maranhão (Alema), bairro do Cohafuma.
Paixão desde cedo
Foi em 18 de setembro de 1950 que a PRF-3TV, TV Tupi, canal 3 em São Paulo, deu os primeiros passos, ainda que pequenos, para uma transformação na cultura do país. Como era novidade, apenas 200 aparelhos importados recebiam os sinais da emissora pioneira. Desde então, a televisão virou mania, uma verdadeira paixão nacional.

Paixão vivenciada por Talvane Lukatto. Maranhense de Colinas (MA) – município localizado a 442 km de distância da capital, São Luís (MA) –, o radialista, com 39 anos, começou a fazer seus registros ainda quando criança. O rádio era, até então, a única alternativa de comunicação, informação e diversão em massa. “Hoje são mais de 15 mil fitas cassetes, com gravações de várias partes do Brasil e, principalmente, do Maranhão; 50 mil discos de vinil, 30 TVs antigas, 50 aparelhos de rádio e diversos adesivos”, disse ao G1.
Entre as relíquias do acervo em vídeo e áudio, estão edições do Jornal Nacional de 1989 até os dias atuais, e raridades do rádio maranhense e brasileiro. “Tenho discursos de políticos, jingles, entrevistas de pessoas que já se foram”, conta.
Com o avanço da tecnologia, o método de gravação mudou: passou da fita cassete ao computador, que registra 24h de programação. Algumas das raridades, agora em acervo digital, vão em sinais de ondas médias a ouvintes de 200 municípios maranhenses por meio da rádio Mirante AM: viraram um programa de rádio – o ‘Memórias do Rádio no Ar’ – que completa, no próximo dia 9 de outubro, 11 anos no ar.
O rico acervo rendeu a Lukatto também uma participação no programa ‘Quintal da Globo’, do Sistema Globo de Rádio.
Expansão
Em sua 11ª exposição da memória da televisão e do rádio brasileiros, o radialista quer expandir o projeto, contar a história da construção do acervo em livro e visitar emissoras de todo o país.
Até o momento, 50 emissoras de rádio e cinco de TV já foram visitadas, mas ao fim de 2015, ele estima que conclua um ciclo de visitas a emissoras em todas as nove capitais nordestinas.
“É um trabalho de formiguinha e um privilégio conhecer algumas emissoras do país, o que talvez seja o sonho de muita gente. Quero me tornar uma referência do acervo de rádio do Brasil”, completa.
Na Era do LED, exposição mostra aparelhos antigos de televisão (Foto: Divulgação)

Aparelhos de rádio também são destaque da 11ª exposição do radialista (Foto: Divulgação)

Nenhum comentário:

Postar um comentário